sábado, 8 de julho de 2017

Uma exortação para que haja ordem e decência nos cultos

"Tudo, porém, seja feito com decência e ordem" (I Co 14:40)

O Apóstolo Paulo exorta desta maneira a igreja de Corinto que precisava aprender que a ação do Espírito produz ordem e e decência, e não bagunça e confusão. A liberdade do Espírito não é incompatível com a ordem e a decência deste mesmo Espírito, pois "Deus não é Deus de desordem" (1Co 14.33). Portanto, toda desordem no culto não é de procedência divina. Sabedores disto, cabe aos pastores botarem ordem na casa, não permitindo que o culto seja enrolado e descontrolado. Assim como Paulo estabeleceu regras para o bom andamento do culto, devemos nós fazer o mesmo.

Alguns exemplos de coisas que devemos evitar em um culto:

O culto deve ser objetivo, enxuto, sem vãs repetições.

Cada participante deve possuir uma clara consciência da integridade do culto para não invadirmos a área do outro.

Um dirigente de culto e um líder de louvor não devem fazer comentários bíblicos prolongados, visto que já teremos um pregador e nem muito menos devem fazer apelos, isto quebra as pernas do pregador que também pode ter planejado o mesmo. Isto é confusão e não unção! Dirigentes de culto e de louvor devem ser humildes para limitarem-se ao seu papel. Devem obedecer o tempo estipulado para eles.

A ação do Espírito é qualitativa e não necessariamente quantitativa no que diz respeito a duração do culto. Não é a quantidade de hinos, oração, minutos de pregação que farão de um culto uma verdadeira bênção, mas, sim, a qualidade destas ações! Um sermão curto é geralmente preferível por produzir melhores resultados, pois não é pelo muito falar que seremos ouvidos, como ensinou Jesus a respeito da oração e que se aplica a pregação e ao louvor: "e, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos" (Mt 6.7). Quão frequentemente desobedecemos este mandamento do Senhor! Quanta vã repetição em nossas orações, em nossos louvores e em nossas pregações! Quanta desordem em nossos cultos! Ouçamos o que diz o Senhor! Ordem e decência é mandamento do Senhor (1Co 14.37).

Não sejamos enrolados e repetitivos tornando o culto chato e cansativo. Não vamos permitir também longos testemunhos que só fazem é cansar e irritar o povo. Nós pastores somos responsáveis por controlar cada ato do culto. Algumas de nossas igrejas tem tomado a sábia decisão de solicitar aos membros da igreja que comuniquem por escrito ou pessoalmente o seu testemunho ao pastor que se encarregará de transmitir a congregação de modo bem objetivo e dinâmico!

Devemos cuidar também para que não haja lacunas entre um ato e outro do culto. Todos os participantes devem ser devidamente orientados a respeito de quando se dará a sua participação para estarem prontos para fazer isto assim que chegar a hora sem que sequer seja necessário serem anunciados. Cada participante deve se ater a fazer apenas aquilo para o qual foi designado. Por exemplo, alguém que foi chamado para cantar, não deve ler a Bíblia, orar e ficar falando. Cante! Por falta deste cuidado, muitos cultos são chatos e enrolados, pois cada um que participa quer falar além da conta. Falta aí aquele tal de "si mancol" e o pastor é culpado por permitir tais excessos.

O dirigente de louvor não deve ter a liberdade de fazer um culto dentro do culto, ou seja, não deve ele ignorar a integridade do culto, devendo ater-se simplesmente ao seu papel como parte de um todo que deve ser harmonioso. Um dirigente não deve ler a Bíblia, pregar, orar, fazer apelo e ficar repetindo desnecessariamente as canções ou partes delas. A menção de um versículo, uma oração curta e um comentário bem objetivo, coisa que caiba dentro da introdução natural das próprias canções é aceitável, mas o que passar disto... Deve tomar também o cuidado para que o período de louvor não seja longo e cansativo. Mais uma vez, a qualidade é mais importante que a quantidade. Cuidados devem ser tomados para que as canções possuam boa teologia e que haja um bom planejamento e ensaio para apresentar o melhor para o Senhor, evitando canções que o povo já está cansado de cantar e aquelas que o povo parece não ter muito apetite para cantar. Sensibilidade e bom-senso se fazem necessários para escolha de um bom e variado repertório. Os músicos e cantores devem saber que a igreja é que tem a prioridade. Eles não estão ali para se apresentarem para a igreja, mas para levarem toda a congregação a adorar em Espírito e em Verdade. Cuidado com o volume dos microfones e instrumentos para que não sufoquem a voz do povo de Deus. A congregação precisa se ouvir cantando!

A Ceia do Senhor também precisa ser planejada para que aconteça da forma mais organizada possível, remindo o tempo na hora da distribuição dos elementos. Busque a forma mais prática de fazer isto. Procure conversar com colegas para saber como é que eles estão fazendo em busca de conselhos que possam agilizar o processo. Pense também em pegar uma das canções ou hinos que estariam comumente programadas para acontecer durante o momento de adoração para colocá-la no momento da distribuição da Ceia, buscando aquela que seja adequada para o momento. Além disto, em um culto de Ceia, você pode orientar a congregação a se valer do momento de prelúdio do culto para que façam as suas orações de confissão. Desta forma, a Ceia pode muito bem ser o primeiro ato do culto. Que ninguém se atrase mais para o início do culto!

Por falar nisto, exorto aos pastores que comecem o culto pontualmente, nem um minuto mais nem menos. Jamais nos atrasemos para o nosso encontro com o Senhor como Igreja. Não vamos deixar o Senhor esperando! Isto faz parte da ordem e decência devidas ao culto sagrado! Não sejamos relapsos!

Queremos aprimorar a qualidade de nossos cultos sem perder a unção. Queremos aperfeiçoar nossa pregação, nosso louvor e nosso ensino. Queremos ser uma igreja que prima pela excelência em tudo o que faz. Para isto precisaremos rever o que fazemos para ver como podemos aprimorar.

No amor do Senhor,

Bispo José Ildo Swartele de Mello
http://escatologiacrista.blogspot.com.br/2012/11/uma-exortacao-para-que-haja-ordem-e.html

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

A Cruz

Deus abriu os olhos de seu coração, Ele o fez perceber por meio de sua fronte, suas mãos, seus pés perfurados pelos cravos, sofrimento e amor vertendo, descendo, fluindo misturados. Não há momento na vida de uma pessoa que seja mais sagrado e mais santo do que esse momento em que Deus transporta você até a cruz, porque é lá que aconteceu o momento mais importante de toda história.

A cruz era um instrumento de tortura usado somente para pecadores e criminosos, ela não foi feita para este perfeito Filho de Deus. Então diante da cruz é mister que você pergunte, porque, porque o meu salvador está sendo crucificado?

Paulo disse: “Deus fez tornar-se pecado por nós, Aquele que não conheceu pecado para que nos tornássemos Nele, justiça de Deus”. Nesse momento Deus pode abrir os olhos de seu coração para que lá você sinta que naquela cruz, Jesus tomou o lugar de alguém que deveria ter estado lá naquele dia, este alguém é você, Jesus tomou o nosso lugar, mas nesse momento nós devemos nos imaginar lá.

Nosso pecado foi tão sério aos olhos de Deus, que a única solução foi Jesus ter morrido em nosso lugar. Então, o amor de Deus, Ele nos amou de tal maneira que deu seu Filho Único, e Deus disse: “Filho, toma o lugar daquele ou daquela”, e , naquele momento Cristo morreu pelo seu pecado e pelo meu pecado. Paulo disse que depois de ter conhecido a cruz, que não havia mais nada que ele gostaria de conhecer, a não ser a cruz de Cristo.

Não quero que a sua fé se estabeleça sob a sabedoria de homens disse Paulo, mas quero que ela se firme sobre o poder de Deus. E quando Paulo deixou que o resto de sua vida fosse modelado pelo poder da cruz, ele chegou a um ponto em sua vida que ele disse: “fui crucificado para o mundo e o mundo crucificado para mim”.

Portanto, aqui estamos nós diante da cruz, de onde sofrimento e amor brotam, fluem, descem até nós e agora Ele está dentro de nossas vidas e para alguns, Ele está dizendo: “Você não gostaria de negar-se a si mesmo, tomar a sua cruz e seguir-me?” O único tipo de resposta que eu conheço digna da morte do Filho de Deus, é uma resposta total e completa: “eis-me aqui Senhor, isso é o mínimo que eu posso dar em troca desse tão grande amor que manifestastes por mim através de Cristo, entrego-te minha vida para que eu a receba de volta renovada e assim possa te seguir”.

Eu não sei aonde Deus levará você, aqueles que estiveram no pé da cruz nos dias de Cristo também não sabiam, mas o Senhor sabia, e quando nosso Senhor da cruz falando com o pai diz: “Ó Pai perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem”. Porém, havia um grupo pequeno no pé da cruz que deveria estar entendendo o que estava acontecendo, o Senhor deles estava tomando os seus lugares para que pudessem ser libertos do poder do pecado para então serem redirecionados pelo Senhor e poderem ser levados por Ele por todas as partes do mundo.

Há alguns de vocês, Deus está tentando dizer: “Você nunca respondeu ao meu amor, não é verdade? Tenho atraído você, mudado você, Eu abri seu coração, você me entendeu, mas você nunca me disse ‘sim’. Eu quero que você me diga ‘sim’, sim para o meu filho, sim Senhor, remove o meu pecado dá-me tua justificação e permita que eu seja Teu”.

Há outros que tem vivido de forma tão trivial, medíocre, que ninguém percebe que um dia você respondeu positivamente ao Filho de Deus na cruz. E de repente você está dizendo em seu coração: “Meu Deus, minha vida, meu viver não tem refletido a cruz de Cristo, tenho vivido em busca do prazer”. Mas agora você está sentindo o Senhor dizer: “Chega, nunca mais”.

Assim, chegamos àquele momento em que a única resposta digna de ser dada ao Filho de Deus é: “Eis aqui minha vida, eis aqui a minha alma, eis aqui meu tudo”. Ó, que haja festa no Céu, porque Deus abriu os olhos de nossos corações para que entendêssemos. Temos visto o Seu povo entender e tendo entendido, dissemos do fundo de nosso coração: “sim Senhor, tudo o que há em mim, tudo a respeito de mim é Teu, agora Senhor quero saber o que queres fazer comigo e com minha vida, a resposta é sim”.

Siga o mover e o guiar de Deus, que tem se manifestado dentro de você durante toda esta cantata, pois o momento chegou, o momento mais importante de todos, quando respondemos com o único tipo de resposta que é digna de ser dada ao amor maior, o tão grande amor de Deus, visto na cruz do calvário: “O meu tudo é Teu”.

A cruz está agora diante de você, Deus a colocou ai diante de você, a única compulsão que você sente em seu coração é o amor de Cristo. Alguns de vocês precisam vir imediatamente à frente, ajoelhar diante do altar de Deus. Outros precisam vir para derramarem-se diante Dele e abrir o coração ao Salvador. Ainda outros, sentem que devem permanecer no local onde estão, nem conseguem se mexer, pois o Senhor esta lidando com eles agora.

Mesmo ai onde você está, você pode responder com o seu coração ao Senhor. Esse é o momento mais sagrado de toda a sua vida.

Agora vou deixar você a sós com o Senhor, que está chamando você a responder ao Seu amor. Gostaria, porém, que você soubesse: “Eu estou orando com você, enquanto você toma a sua decisão”.
__________________

Este texto não é meu, recebi-o em forma de uma cantata. Mas de tão poderoso que é, resolvi torná-lo público através do Blog da Vida Eterna, fazendo dele o grito de chamamento para que todos os povos venham à Cruz de Cristo.


sábado, 11 de fevereiro de 2017

Guiado e cuidado pelo Espírito Santo

O ano era 1994, eu estava passando por um momento muito difícil na minha vida profissional, e foi nesta época que conheci  um pessoal da renovação carismática da cidade de Cianorte que veio ministrar um encontro de casais aqui em Barbosa Ferraz.

Foi um encontro muito emocionante, muito cheio da presença do Espírito Santo e do amor das pessoas, umas pelas outras. Lembro-me especialmente do abraço carinhoso e emocionado que recebi do já falecido Jair, que chamávamos carinhosamente de Jair da Celinha.

Depois deste encontro, passamos a acompanhar o pessoal de Cianorte aonde quer que eles fossem ministrar encontros. Passados alguns meses, ainda no ano de 1994, consegui um emprego e adivinhem aonde? Na cidade de Cianorte, e a empresa ficava a poucos metros da casa do senhor Nelson, um dos líderes da renovação carismática que ministrou o encontro em Barbosa Ferraz.

Este emprego me propiciou uma nova e melhor condição financeira, e isso espiritualmente foi muito ruim para mim, pois quanto mais dinheiro eu ganhava mais longe de Deus eu ficava, chegando ao ponto de abandonar completamente a vida com Ele.

O ano era 2016, mais exatamente o mês de novembro, fui convidado  para integrar a equipe do novo prefeito de nossa cidade. Ao orar pedindo orientação a Deus sobre este desafio, percebi nitidamente a resposta que me foi dada através do Santo Espírito:

“Este trabalho para o qual você foi convidado não é apenas mais um trabalho, é uma  oportunidade de vida, preste atenção, você está voltando à sua primeira profissão, aquela  que você abandonou para ir atrás de “ganhar” mais dinheiro. Seu novo emprego é na sua cidade natal, então agora você terá a oportunidade de ser um bom profissional, bom cidadão, bom filho, bom marido, bom pai, enfim, não é mais só um trabalho, é uma nova oportunidade de vida. Ao conseguir ser bom nestas coisas do mundo, você poderá tornar-se um bom seguidor de Jesus Cristo”.

Naquela noite, quinta feira, era noite de célula, e lá durante a oração, mais uma vez senti o Espírito Santo me repetindo aquelas mesmas palavras, e isso se repetiu na semana seguinte, novamente na célula de quinta feira.

Hoje, fevereiro de 2017, fui despertado com a consciência de que estou quase com o pé fora do caminho estreito, quase fora do caminho que me levará a ser um seguidor de Cristo, desta vez não pelo dinheiro, mas sim pelo cansaço de uma rotina que me impus e na qual deixei de fora os momentos necessários para minha comunhão com Deus.

Mas o Espírito Santo é zeloso e dedicado à sua missão junto aos homens aqui na Terra e me constrangeu e pela graça divina consegui perceber este desvio de rota. Sei que é da natureza humana buscar afastar-se de Deus, mas esta “liberdade” que temos de poder escolher entre o mundo e Deus é nossa maior inimiga, pois ao fazermos uso dela, ao querermos mostrar que somos livres e podemos fazer o que quisermos, selamos o nosso destino e entregamos a direção da nossa vida ao Diabo e seu bando de asseclas.

Cuidado minha alma, cuidado com o orgulho, cuidado com o que parece um simples cansaço físico, não durma, vigie, fique alerta, o inimigo vem, e vem sem piedade. É na desculpa do cansaço que muitos se apegam para justificar seu distanciamento de Deus, mas uma vez nas garras do ser infernal esta justificativa de nada vale, ele mesmo zomba, dizendo:  “- ser mortal descuidado, não ouviu a Palavra do teu Deus que te mandou vigiar?, Agora tua vida me pertence, tua alma é minha”.

Constrangido pelo Espírito Santo endireitei meus passos, e elevo minha voz para agradecer e dar glórias ao Senhor, Tu és Santo, Santo, Santo, Deus poderoso criador de tudo e de todos e também um pai amoroso e misericordioso que deseja a salvação das suas criaturas.

Em nome de Jesus, inspirado pelo Espírito Santo, obrigado Pai.