sábado, 7 de maio de 2011

Pelo que ou por quem você morreria?

“Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte”... (Sl 23:4)

Ontem à noite enquanto eu esperava meu filho mais velho chegar da faculdade, fiquei assistindo a um filme na televisão sobre a guerra do Vietnã. Num discurso aos soldados antes de embarcarem para a guerra, o personagem de Mel Gibson, usou o texto do Salmo 23 acima, acrescentando que: “não teria certeza de que todos voltariam vivos”. Este comentário me fez desviar a atenção do filme e fazer uma reflexão sobre os motivos que levariam uma pessoa a morrer por uma causa, ou por alguém.

Nestes dias em que a morte do terrorista Bin Laden, trouxe alívio, mas ao mesmo tempo temor pela  segurança de todos os cidadãos do mundo, me impressionou o sentimento de patriotismo que o povo americano demonstrou nas comemorações pela morte do tão procurado terrorista. Patriotismo este que vi representado nos personagens do filme, soldados que se sentiam orgulhosos em irem para a guerra, lutar e dar a sua vida pelo seu país. Soldados que como o personagem de Tom Cruise em “Nascido em 4 de Julho” sentem orgulho em exibir os membros amputados como verdadeiros troféus.

Falando em morrer pelo seu país, não poderia deixar de citar os pilotos “kamikazes”  japoneses que  iam de encontro à morte  ao jogarem seus aviões contra os navios americanos, orgulhosos de morrerem pelo Imperador e pelo Japão.

A morte de Bin Laden também me trouxe à mente o povo Muçulmano. Verdadeiros fanáticos religiosos, para quem a morte no que denomimam “guerra santa” é o ápice da vida humana e verdadeiro “passaporte diplomático” da república celestial, que garante passagem livre ao eterno, com a grande recompensa das 21 virgens, prêmio especial somente destinado aos mais bravos guerreiros.

Todas essas considerações iniciais me fazem questionar: “E nós? Eu e você, pelo que ou por quem estaríamos dispostos a dar nossas vidas?”. Daríamos a nossa vida pelo nosso país? Pelo nosso time de futebol? (infelizmente alguns matam pelos seus times). Pelos nossos amigos? Pelos nossos filhos? (acho que pelos filhos, sim).

Amaríamos tanto alguém que, pelos seus crimes ofereceríamos as nossas vidas para pagar o resgate do débito desta pessoa? Ei, espera ai, esta pergunta me faz lembrar de alguém que fez isso, você sabe quem é ele?...Isso mesmo, Ele, o homem de Nazaré, Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, que nos amou de tal forma que se aniquilou a si próprio, encarnou em forma humana e submeteu-se de livre vontade à cruz para que ficássemos livres da responsabilidade pelos nossos pecados.

E agora... por Jesus Cristo, aquele que deu sua vida pela nossa, será que por Ele nós daríamos a nossa vida? Transformaríamos em realidade o que diz o salmista?

“Mas, por amor de ti, somos entregues à morte continuamente, somos considerados como ovelhas para o matadouro” (Sl 44:22).

As horas passaram, meu filho chegou, o filme terminou, mas eu não consegui dormir. Passei o restante das horas da noite tentando achar uma resposta, e eu tenho que ser sincero quanto à resposta que encontrei, pelo menos no que diz respeito a mim: "Eu não tenho certeza de pelo que ou por quem eu estaria disposto a morrer".

Carlos Almeida

Um comentário:

  1. Muito interessante esse texto!Quanto ao que foi dito acima sobre pessoas terem dado ás suas vidas em sacrifício, eu pessoalmente acredito que Jesus, a quem admiro profundamente, foi o mais correto porque ele nos deixou um código do caminho que nos faz evolui cada dia mais, e as outras vidas só serviram para mostrar destruição e caos!Acredito também que este sacrifício nos dias de hoje já não é mais necessário e sim dedicarmos á nossa vida ao AMOR! Se tivermos amor em tudo que fizermos isso será muito bem aceito no Universo!

    ResponderExcluir