domingo, 24 de julho de 2011

Porque sou arminiano

Sou arminiano, porque, acredito piamente que o julgamento de Deus no último dia é sério, e sendo assim, ele nos julgará porque realmente temos liberdade de escolha, se o nosso livre arbítrio não fosse real, o julgamento seria uma farsa.

Sou arminiano, porque, creio realmente que Deus não agracia uns em detrimento a outros como está explícito no texto sacro: “E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação”.
Se todos estão caídos e Deus escolhece uns e rejeitasse a outros sem considerar nenhuma atitude dos grupos, logo, ele estaria fazendo acepção, coisa que segundo as escrituras contrasta com o seu caráter.

Sou arminiano, porque, acredito que a salvação depende da minha responsabilidade diante da graça recebida em Cristo Jesus, e na realidade das advertências bíblicas, coisa essa asseverada constantemente nas Escrituras na forma de “ais”, exortações e chamada a vigilância e ao arrependimento.

Sou arminiano, porque, acredito que o ser humano é dotado de livre arbítrio, e que mesmo depois da ação do Espírito, que convence o homem do pecado, esse mesmo homem pode resisti-lo.

Sou arminiano, porque acredito que minha própria existência, carregada de dúvidas, angústias e desejos, indica que as escolhas pessoais são efetivas e que Deus quer ser achado por nós numa relação de amor, tal qual ele é, não impondo sua realidade de forma impessoal, sem levar em conta o nosso desejo por ele. Pelo contrário, Ele deseja ser amado por nós, e isso significa que sua graça não é irresistível – se fosse, não teríamos dúvidas e não mais optaríamos, em nossos pecados diários, se afastar dele.
Na Bíblia, dentre algumas narrativas, destaco dois casos que deixam bem claros esses pressupostos: Quando Jesus dialogou com o jovem rico que preferiu as riquezas do mundo do que a sua companhia, as Escrituras nos relata que Jesus amou aquele jovem – mesmo assim o jovem o rejeitou. O outro exemplo de que Deus deseja ser amado, não forçando ninguém irresistivelmente a receber sua graça, foi exemplificado em sua tristeza por saber que Jerusalém, que tanto Ele amava, obstinadamente o rejeitava.

Sou arminiano, em suma, porque acredito que a Teologia Arminiana é harmônica com as Sagradas Escrituras.

Por: Lailson Castanha

3 comentários:

  1. GLÓRIA A DEUS! DEUS SERIA UM CARRASCO SE OPTASSE PELA PREDESTINAÇÃO.DEUS O ABENÇOE. SOU ARMINIANA , PQ SIGO UM DEUS DE AMOR E QUE NÃO SE SATISFAZ COM O SOFRIMENTO DAS PESSOAS. AMÉM E AMÉM1

    ResponderExcluir
  2. Interessante esta parte, mas acredito que as palavras da Bíblia Sagrada tenham mais poder. Sem querer criticar a opinião. Visite meu blogger na internet: http://marcio-divulgao.blogspot.com/ até lá.

    ResponderExcluir
  3. Graça e paz amado!

    Não é nenhuma novidade pra o abençoado irmão que eu não concordo com o seu posicionamento. Já conversamos algumas vezes sobre isso.

    Mas eu gostaria apenas de lembrar (que o irmão já sabe) que a predestinação surgiu com o protestantismo, Lutero pregou isso, Calvino pregou e muitos outros depois deles também pregaram. A predestinação quando entendida corretamente não torna Deus injusto, antes enaltece a sua soberania e poder. Infelizmente a idéia arminiana coloca o homem numa posição de destaque onde a graça perde inteiramente o seu valor. Este não era o pensamento da Reforma, é o pensamento do catolicismo romano, por isso precisamos de uma nova reforma hoje, para retornarmos ao principio que guiou os reformadores do sec. xvi. É evidente que não dá pra discorrer sobre a predestinação aqui, mas apenas queria deixar um suncinta opinião sobre o assunto.

    Deus continue te abencoando irmão

    Soli Deo Gloria!

    ResponderExcluir